A importância de saber regras - Entrevista exclusiva com o árbitro Alessandro Alegre


Publicado em 10/09/2020 por: Marcelo Melo



“Se as avaliações realizadas no templo antes do início das hostilidades apontarem para a vitória, será porque os cálculos mostram ser a força própria maior que a do inimigo, se apontarem para a derrota, será porque os cálculos mostram a força própria ser inferior à do inimigo. Com muitos cálculos, pode-se vencer, com poucos, não o é possível, e quem nenhum fizer terá ainda menos probabilidades! Com isso quero dizer que, examinando-se a situação, os resultados surgirão com clareza” – A arte da guerra.


Esse trecho do livro “ A arte da guerra” faz parte das estratégias de guerra publicadas nele e se encaixa em muitas situações na nossa vida, inclusive no Jiu Jitsu. Ele diz que com estratégia podemos vencer uma adversidade mais forte, assim como no Jiu Jitsu também podemos vencer um adversário mais forte com uma boa estratégia de luta, porém para conseguirmos isso no Jiu Jitsu, além de conhecermos bem o nosso oponente, é muito importante conhecer as regras do Jiu Jitsu.


Mas as regras não são importantes somente para vencer lutas, elas também são muito importantes para a segurança dos praticantes, por isso elas não servem só para competidores, servem para todos envolvidos, praticantes, atletas e professores.


Pensando nisso a Omoplata Revista Digital trouxe uma entrevista exclusiva com o faixa preta da Maromba Academia, Alessandro Alegre “Tatão”, arbitro oficial da Federação Paulista de Jiu Jitsu. Tatão em breve estará realizando um seminário de regras na sua academia Arte da Luta em Hortolândia (assim que sair a data divulgaremos aqui), nessa entrevista ele trará aqui para nós, alguns pontos importantes sobre saber as regras e a importância de participar de um seminário sobre as mesmas.


Omoplata: Por que você decidiu ser árbitro?
Tatão: Não foi algo planejado, no início comecei a estudar regras com incentivo dos meus senseis porque gostava de competir e isto faz diferença no esporte. Toda mudança na regra me forçava a estudá-la novamente e refazer as provas e quando me dei conta estava estagiando pela Federação Paulista de Jiu-Jitsu.


Omoplata: Muitos não se interessam por regras, pois seguem aquela frase “Jiu Jitsu é finalização”, então explique para nós o por que existe regras.
Tatão: O Jiu-Jitsu na sua essência não necessita de regras ele era utilizado para autodefesa, a medida em que ele foi se difundindo aqui no Brasil, observaram a necessidade de criar competições para divulgar a modalidade. Quando a modalidade alcançou um considerado número de praticantes e o esporte começou a ficar popular, observaram também a necessidade de o tornar mais organizado para quem assistia o espetáculo e mais seguro para os atletas que promoviam o mesmo.


Omoplata: Por que um lutador precisa saber regras?
Tatão: Assim como eu devo estudar meus oponentes ao anteceder qualquer embate e estudar qual será a melhor estratégia para conseguir finalizá-lo, se faz necessário também ter conhecimento de como posso obter a vitória pelo placar. Para tal, conhecer profundamente as regras do esporte pode me tornar vencedor do evento.


Omoplata: E por que quem não luta também precisa saber regras?
Tatão: As regras foram criadas tanto para proteger os atletas quanto para tornar seu entendimento mais simples ao espectador ou apenas praticante da modalidade. O praticante pode não ter aspiração para atleta, mas pode perfeitamente ajudar seu amigo em um campeonato simplesmente por ter conhecimento em regras.


Omoplata: Quais seus objetivos como árbitro?
Tatão: Estar sempre atualizado com as mudanças nas regras, arbitrar as lutas mais difíceis, pois é com elas que aprendemos muito e me tornar árbitro internacional sem deixar de viver no Brasil.


Omoplata: Como é ser arbitro de Jiu Jitsu, a galera respeita o árbitro?
Tatão: A vida de árbitro tem seus prós e contras como em qualquer outra profissão. Estamos muito próximos de ícones do esporte e aprendemos muito com eles arbitrando suas lutas, têm também as críticas de torcedores e professores que na maioria das vezes nos ofendem por falta de conhecimento das regras daquele evento ou federação. Para nossa sorte o número de atletas e professores com conhecimento em regras está aumentando consideravelmente, o que torna nosso esporte cada vez mais organizado e leve de praticar e assistir.


Omoplata: Saindo um pouco da arbitragem, falando de um assunto que parou o ano de todo mundo, que é essa pandemia, a pandemia mostrou novos caminhos e novas oportunidades em muitos setores, novas formas de trabalho foram descobertas e serão legados dessa pandemia. E para o Jiu Jitsu, você acha que isso deixará algum legado do tipo?
Tatão: Vou expor aqui a minha opinião sobre o assunto. Tem muitos fatores envolvidos e como sou um otimista e sempre procuro tirar o melhor de cada situação, prefiro enxergar que esta situação nos fez refletir novas formas de praticar o esporte. O mundo virtual não foi o ideal para o Jiu-Jitsu, mas nesta situação era a ferramenta que muitos tinham para continuar disseminando conhecimento e diminuir a angústia de não poder mais estar presente em um tatame. Não digo que irá ficar para sempre porque foi apenas um paliativo diante desta situação. Eu acredito que esta pandemia vai deixar como lição a valorização dos treinos, dos companheiros, dos professores assim como nos fez valorizar muito mais nossa família e nossa própria vida. Só percebemos o quanto estamos desconectados de nós mesmos e do que nos cerca, quando temos tempo para fazer uma profunda imersão em nossa essência. A pandemia impôs isto a todos nós sem exceção, rico ou pobre, negro ou branco, homem ou mulher, etc. Nos nivelou ao simples status de pandêmicos. O legado que espero que esta situação nos deixe é a valorização de tudo que nos é importante, família, amigos, profissão, hobbies, esporte, enfim nosso modo de viver.


Omoplata: Para finalizar, diga os benefícios de participar de um seminário de regras e convide a galera para o seu seminário de regras.
Tatão: Como atleta o conhecimento em regras assim como em técnicas te faz estar sempre dois ou três passos à frente de seu oponente e como entusiasta ou praticante nosso curso o tornará um entendedor no assunto, podendo discutir de igual para igual mesmo com um competidor, contando com isto espero todos vocês em nosso seminário de regras pessoal.


Omoplata: Muito obrigado pela sua participação, a Revista Omoplata agradece e deseja muito sucesso na sua trajetória.
Tatão: Agradeço a oportunidade de estar trocando informações e retribuo o desejo de sucesso também a Revista Omoplata. Abraço a todos. Oss.


Confira os resultados do BJJBET


Confira as regras que prometem deixar o BJJBET emocionante


IBJJF libera inscrições para o PAN 2020